Belezas amarelas!

Quero deixar-vos aqui as flores amarelas das giestas verdes e quero, com isso, prestar a minha homenagem, aqui neste cantinho, no blog das Flores da Vida, às gentes das minhas aldeias do norte de Portugal e, em especial à gente de Adrão que, comigo, experimentou as agruras acres das giestas da vida.

 

Hoje, enquanto tirava estas fotos, lembrava-me das nossas giestas da Assureira, daquelas giestas do Curral Coberto, das giestas dos montes de Bordença e das giestas da Saramagueira, entre outras. Lembrava-me também como era dura a vida das nossas gentes na produção da energia para levarmos a sopa ao pote. As giestas eram uma das nossas fontes de energia, tal como a urze (as chamiças), os torgos das urzes, as axas dos carvalhos (ou os velhos canhotos) e tudo que podia fornecer a tão desejada energia.

 

Por isso e como elas são tão lindas, embora em muitos sítios uma praga, olhando as flores das giestas e apreciando a sua beleza, eu recordo-me de vós e faz-me sentir que, tal como eu, muitos de vós, conhecedores do sabor acre das giestas, ainda se recordarão delas.

 

Servem elas, também, para deixar aqui, para todos vós, um grande abraço bem do fundo do coração e pedir ao Senhor da Esfera para não esquecer os nossos montes e as suas gentes.

 

 

A flor da giesta leva um abraço para todos e se a imagem virtual levasse também o cheiro, podem crer que passei um belo pedaço da minha manhã dentro de um frasco de perfume em que a giesta predominava 

 

Em todo o mundo há flores lindas, como as minhas Flores de Inverno ou Flores da Vida mas, não ofuscam as flores das minhas Montanhas Lindas

sinto-me: amarelo como a flor da giesta
música: Ave Maria, cantada por Pavarotti
tags:
publicado por Ventor às 22:33