A Primavera!

 

 

Como neste belo quadro de Carl Larsson, vamos festejar a Primavera, tdos juntos. Os persas e seus afins, festejam o seu Ano Novo (Noruz) e nós, para eles não festejarem sós, podemos festejar também mais um nascimento de um novo ano, primaveril. Vamos a isso?

 

É hoje, 20 de Março de 2012, às 05:14, que se vai dar o equinócio de Março. Isto é, o mesmo que dizer que vai nascer a Primavera, a belíssima amiga florida do Ventor.

 

 

Mas a Primavera, este ano, apareceu-me, entre as amendoeiras e bem pertinho de casa!

 

O meu amigo Apolo, disse-me que ainda não vi as papoilas brancas prque, a nossa amiga Primavera iria oferecermas na sua bela grinalda em que essas flores estariam presentes.

O que o meu amigo Apolo espera é que eu lhe conte o sonho que tive com a nossa bela Primavera mas, ele não tem tempo para me ouvir pois continua muito ocupado na sua guerra surda com Nibiru.

 

 

Todas estas flores, chamem-lhes o que quiserem, pertencem àquilo a que chamamos malmequeres. O malmequer é a designação dada às flores da famíla das compostas, constituídas por várias espécies de que fazem parte as margaridas, os crisântemos e muitas outras.

 

Mas eu, gostaria de deixar-vos aqui, parte da conversa que terei com o meu amigo Apolo, mal ele me toque na vidraça da minha varanda, amanhã de manhã. Eu penso que ele sabe, porque ele sabe tudo, basta-lhe interessar-se pelo assunto e ficará logo a par. Mas quem tem conversado comigo, cheia de tristeza, é a minha amiga Primavera.

 

 

 Flores lindas

 

Por entre estas belas flores, depois de passar pelas novas papoilas, a Primavera, muito triste por o seu irmão Inverno lhe roubar a beleza do seu tempo, chorou à sombra dos arbustos por ver as belezas da sua vida tão avançadas e com tanta sede.

«Vês, Ventor, como tudo seria lindo se todos nós cumpríssemos com as nossas obrigações? O meu irmão, cheio de inveja das minhas belezas, apena minou o caminho da minha chegada e já não sei que fazer para continuar a ser linda a teus olhos»! 

 

 

                 Flores de pessegueiro, incrustradas nos arbustos que as asfixiam

 

«Alguma vez, Ventor, me passou pela cabeça esconder-me de tanto calor entre as flores do pessegueiro? Das fruteiras, onde só ouço os insectos a gritarem que estamos todos perdidos. Que posso eu fazer? Nada! nada, nada, nada»! A mim resta-me a esperança de que os elementos se reencaixem nos respectivos casulos, terminar essa libertinagem natural e ver tudo isto mudar. De ver a chuva cair para os fenos crescerem e no seu seio, as belezas que dão côr ao mundo, deixando assim de ver as rações dos animais subirem já os 80%, e ouvir gritar hoje que 47% do território português está submetido a uma seca severa. Nem a Primavera sabe, nem eu, como tudo isto irá acabar.

 

 

Belezas nas minhas caminhadas

 

Por enquanto, só nos resta a esperança de que as coisas mudem e, entretanto, usufruir a nossos olhos, as flores sempre belas. Não sou do tempo de Carl Larsson, mas acredito que, no seu tempo, a Primavera lhes tenha aparecido a glorificar as belezas do seu mundo como agora glorifica o meu. De qualquer forma, a partir das 05:14 minutos deste dia 20 de Março, vamos ter esperança e dar as boas vindas à nossa amiga - a Primavera.

 

 

 

A minha amiga Primavera apareceu assim ao pintor Carl Larsson, de chapéu, entre a folhagem, a mim aparece-me de várias maneiras mas, normalmente, sempre com uma teara de flores e nunca de chapéu. Normalmente, sempre que sonho com ela, aparece-me descalça e florida com flores policoloridas. A primavera do Carl Larsson, é uma Primavera nórdica, a minha amiga Primavera é uma Primavera Lusitana, uma autêntica miraflores!

 

Em todo o mundo há flores lindas, como as minhas Flores de Inverno ou Flores da Vida mas, não ofuscam as flores das minhas Montanhas Lindas

publicado por Ventor às 05:14